sexta-feira, 4 de abril de 2008

Encontro

Nunca se tinha sentido tão triste e tão angustiada. Precisava de chegar a casa para se esconder, para chorar, para gritar!… entrou na casa de banho e lavou a cara com água fria, numa tentativa desesperada de segurar as lágrimas que lhe rebentavam nos olhos, e o grito que lhe subia pela garganta. Olhou a sua cara molhada no espelho e viu-a totalmente transfigurada naquela máscara de sofrimento. Secou apressadamente a cara, saiu da casa de banho, contornou os corredores, meteu pela escadaria e iniciou a descida.

O elevador seria mais rápido do que descer a pé os quatro andares que a separavam da rua, mas não queria encontrar-se com mais ninguém, muito menos no espaço apertado do elevador. As escadas, pelo contrário, estariam desertas, e mesmo que se cruzasse com alguém menos comodista, poderia continuar a descer apressadamente, reduzindo os eventuais encontros a simples cruzamentos de ombro com ombro... não de olhos com olhos, que esses seguiam colados aos degraus que lhe fugiam debaixo dos pés a grande velocidade, com a mão firme no corrimão para evitar alguma fatal perda de equilíbrio.

O frio do inverno tardio bateu-lhe na cara, ajudando-a a reprimir as lágrimas. Avançou pela rua, meio curvada, não para se esconder do frio, mas para se esconder do mundo e das outras pessoas que passavam. Apressou o passo pelo caminho mais curto, seguindo curvada e encostada às paredes dos prédios, numa tentativa desesperada de se esconder dos olhares da multidão que, apesar de frios e indiferentes, a trespassavam como flechas em chama.

Subitamente, ao virar para outra rua, chocou de frente com alguém que vinha no sentido oposto, também curvada e também encostada às paredes dos prédios, numa igual tentativa de se esconder de frios e indiferentes olhares.

Frente a frente olharam-se mutuamente. Nunca se tinham visto, mas reconheceram na cara uma da outra a mesma tristeza, a mesma angústia, a mesma máscara de sofrimento.

Instintivamente envolveram-se num abraço forte e contínuo, não num abraço de amantes, mas num abraço de irmãs. As lágrimas, impossíveis de reprimir por mais tempo, irromperam em enxurradas incontroláveis e os gritos soltaram-se das gargantas. Num tempo que não conseguiram contabilizar, o universo ficou reduzido a elas próprias, alheias à vida que continuava a correr à sua volta e aos olhares de quem passava.

Finalmente, como se obedecessem ambas a um subtil sinal de um oculto maestro, afastaram-se um pouco, mãos nas mãos, olhos nos olhos, já sem as lágrimas que entretanto se tinham esgotado.

A angústia foi-se transformando em coragem, e as máscaras de sofrimento foram dando lugar às expressões características de quem tomou uma decisão e sabe o que tem de fazer para a pôr em prática. Num derradeiro olhar, e sem terem trocado uma única palavra, viraram-se e iniciaram o caminho de regresso de cabeça erguida, na altivez da certeza da decisão tomada, prontas para enfrentar o mundo.

10 comentários:

Carla disse...

um encontro que decide uma vida...uma descrição muito boa de sentimentos de dor

lélé disse...

Bem se diz que chorar faz bem; lava a alma...
Este conto é muito bonito!

filha do administrador disse...

shiii , era excelente que esses encontros acontecessem

Lyra disse...

Que a força desse "encontro" te ilumine o caminho, porque agora (seja como for) não mais estarás sozinha, certo?

Beijinhos e até breve

;O)

Rui disse...

Não terá sido apenas o seu reflexo numa qualquer montra?
No outro dia, vi uma pessoa abraçada a si própria. Sorria.

Lucy disse...

Quase eu. Hoje.

Mas o hoje já é passado e amanhã é outro dia.

Lyra disse...

Passei mandar um beijinho!

Até breve

;O)

A Túlipa disse...

Este li. Este li e gostei... MAs fico a pensar no que não stará por trás de tanta história... estas e tantas outras. Talvez estejamos ambos a descobrir algo em ti que não tinhamos conhecimento.

Estarei errada?

A Túlipa disse...

Hum, este e certamente dos mais interessantes. Coemnto qd tiver finito... se bem que este podia continuar por ais partes =P

Fenix disse...

Quem dera poder fazer isso de vez em quando..., sair sem destino e encontrar por acaso uma alma gémea de emoções e "dores", a quem abraçar em silêncio, só cortado pelo choro, até a alma estar limpa, lavada... e então partir com coragem renovada e firme resolução em tudo vai ser melhor..., talvez amanhã, talvez depois, ..., mas em breve, decerto.
Gostei muito...