quinta-feira, 15 de maio de 2008

Sonhos Cruzados - parte V

(continuação de Sonhos Cruzados – partes I, II, III e IV)

Acordou pouco depois da hora habitual a que acordava durante a semana.

Procurou recordar o sonho da noite para ver se a carta que tinha enviado à morena tinha chegado intacta ao seu destinatário, e para ver se esta lhe tinha enviado alguma resposta…

Apercebeu-se da inutilidade dos seus esforços do dia anterior, mas foi com bastante entusiasmo que recordou o exacto número de unhas que a morena de cabelo comprido e olhos castanhos pintara de vermelho bem vivo.

Sentiu-se bastante satisfeita com o facto de terem encontrado uma forma de comunicar, mas haveria tempo para voltar a pensar no assunto durante a tarde, por isso voltou a fechar os olhos na tentativa de aproveitar a manhã de sábado para se recompor do cansaço acumulado ao longo da semana.

Acordou pouco depois da hora habitual a que acordava durante a semana.

Procurou recordar o sonho da noite para ver se tinha havido alguma evolução… mas desta vez o sonho fora estranhamente curto… apenas um acordar para voltar a adormecer numa manhã de sábado… optou por não pensar muito no assunto e resolveu, seguindo o exemplo da loira, fechar os olhos na tentativa de aproveitar a manhã de sábado para se recompor do cansaço acumulado ao longo da semana.

Acordou com o toque da campainha da porta. Os sucessivos toques das campainhas dos apartamentos vizinhos permitiram-lhe deduzir tratar-se de alguém a distribuir publicidade…

Acordou com o toque da campainha da porta. Os sucessivos toques das campainhas dos apartamentos vizinhos permitiram-lhe deduzir tratar-se de alguém a distribuir publicidade…

Não tinha de se incomodar, algum dos seus vizinhos ou vizinhas abriria a porta, mas sentia-se estranha, por isso levantou-se e dirigiu-se à casa de banho de olhos meio fechados…

Não tinha de se incomodar, algum dos seus vizinhos ou vizinhas abriria a porta, mas sentia-se estranha, por isso levantou-se e dirigiu-se à casa de banho de olhos meio fechados…

Sentiu-se perdida no quarto e foi com alguma dificuldade que acabou por dar com a porta da casa de banho. Sentia-se cada vez mais estranha…

Sentiu-se perdida no quarto e foi com alguma dificuldade que acabou por dar com a porta da casa de banho. Sentia-se cada vez mais estranha…

Levou as mãos à cara e depois ao cabelo… de repente sentiu o seu mundo desabar…

Levou as mãos à cara e depois ao cabelo… de repente sentiu o seu mundo desabar…

Numa súbita urgência de negar com os olhos a afirmação transmitida pelo tacto, correu a mão pela parede pelo lado de fora da porta da casa de banho até encontrar o interruptor…

Numa súbita urgência de negar com os olhos a afirmação transmitida pelo tacto, correu a mão pela parede pelo lado de fora da porta da casa de banho até encontrar o interruptor…

Com a mão a proteger os olhos da súbita luminosidade olhou-se ao espelho e deixou escapar um grito de horror…

Com a mão a proteger os olhos da súbita luminosidade olhou-se ao espelho e deixou escapar um grito de horror…

Do lado de lá olhavam-na uns olhos castanhos plantados numa cara morena de cabelo escuro comprido, emaranhado pela almofada…

Do lado de lá olhavam-na uns olhos azuis plantados numa cara branca de cabelo loiro e curto, levemente desalinhado pela almofada…

Puxou o cabelo para a frente dos olhos para ter a certeza de que não estava a ser enganada pelo espelho… mas não, lá estava o cabelo comprido e escuro…

Agarrou nuns quantos cabelos e arrancou-os para os poder olhar directamente e ter a certeza de que não estava a ser enganada pelo espelho… mas não, eram bem loiros aqueles cabelos entre os seus dedos, como era viva a dor de onde acabara de os arrancar…

Incrédula, recuou até à porta da casa de banho e deteve-se um pouco a olhar à sua volta.

Incrédula, recuou até à porta da casa de banho e deteve-se um pouco a olhar à sua volta.

Virou-se para o quarto, vagamente iluminado pela luz atrás de si e, de novo, olhou à volta.

Virou-se para o quarto, vagamente iluminado pela luz atrás de si e, de novo, olhou à volta.

Saiu apressadamente do quarto e percorreu a casa toda olhando vagamente em todas as direcções…

Saiu apressadamente do quarto e percorreu a casa toda olhando vagamente em todas as direcções…

Não havia dúvida, estava na casa da morena!…

Não havia dúvida, estava na casa da loira!…

Encostada numa parede deixou-se deslizar até ficar sentada no chão.

Encostada numa parede deixou-se deslizar até ficar sentada no chão.

Tentou recordar-se do seu nome… mas por mais que tentasse só conseguia lembrar-se do nome da morena…

Tentou recordar-se do seu nome… mas por mais que tentasse só conseguia lembrar-se do nome da loira…

Não havia dúvida, estava no corpo da morena… no mundo da morena... e com as memórias da morena!...

Não havia dúvida, estava no corpo da loira… no mundo da loira... e com as memórias da loira!...

***

Não voltou a saber da loira de cabelo curto e olhos azuis, nem mesmo em sonhos.

Não voltou a saber da morena de cabelo comprido e olhos castanhos, nem mesmo em sonhos.

FIM

11 comentários:

filha do administrador disse...

que maluqueira, até me comecei a arrepiar quando ela deu conta que era loira e não que era morena, ou loira? ou morena?
...até já

lélé disse...

Normalmente as passagens para o outro lado do espelho são mais rápidas e menos desgastantes. Ou a loura, ou a morena, uma delas deve viver num mundo em que estas passagens demoram mais tempo, talvez por exigirem mais burocracias...

Bem, pelo menos, a troca foi relativamente pacífica!...

O final desta história está com o ritmo perfeito.

Rui disse...

Sempre me quis parecer que a verdade estava a ver-se ao espelho. E fico aqui a imaginar coisas para lá dele. que se escondem do outro lado do reflexo... reflexo... reflexo... reflexo...

Lyra disse...

Viajei no tempo e no espaço, através de um espelho, sentindo a emoção de cada palavra aqui lida e bebendo detalhadamente as lições de vida que essa viagem me deu.

Adorei!

Beijinhos e até breve.

;O)

MARIA MERCEDES disse...

Esse conto, para mim, tem o sabor dum dejá vu! Ou sonhámos o mesmo sonho, ou talvez tu faças parte do meu sonho!

beijinhos de sonho

filha do administrador disse...

já li várias vezes, está na altura de renovar, não achas?

Lyra disse...

Espaços que se cruzam,
palavras que se encaixam,
sorrisos imaginários que se entrelaçam,
confidências que se armazenam.
Assim nascem as amizades virtuais...

Obrigada pela tua!

Adoro ler tudo o que escreves!

Beijinhos e até breve.

;O)

filha do administrador disse...

já vi que jantas tarde

Carla disse...

sonhos cruzados com a realidade...apenas para dizer que gostei muito
bom fim de semana

Lyra disse...

Passei por aqui só para te deixar um grande beijinho e desejar uma execelente semana.

Beijinhos e até breve.

;O)

P.S.- Sinto a tua falta

Fenix disse...

Adorei...
Empolgante do princípiu ao fim!
Mas no fim, "sonhava" que elas se encontrassem mesmo...
Sonhos comunicantes...
Também tenho e costumam ser reais...